Início
RECOMENDACOES DO SEMINARIO BIODIESEL 2008 NORTEIAM TRABALHOS DO II SEMINARIO BIODIESEL 2010 PDF Imprimir E-mail

As 83 recomendações propostas pelos conferencistas, palestrantes, debatedores e participantes presentes no I Seminário Biodiesel: Fonte de Energia das Oleaginosas em Pernambuco, realizado de 12 a 14 de outubro de 2008, sintetizadas em “14 Propostas de Ação” contidas no item 6 do Relatório disponível neste site da Academia, link Seminário Biodiesel, formam a base para as Conferências e Palestras que compõem a programação do II SEMINÁRIO BIODIESEL FONTE DE ENERGIA DAS OLEAGINOSAS EM PERNAMBUCO: EVOLUÇÃO DO CENÁRIO E NOVAS PERSPECTIVAS NO BRASIL, a realizar-se dias 3 e 4 de maio de 2010, no Mar Hotel, Recife, Pernambuco.

Após 18 meses da realização do I Seminário, esta Academia de Ciência Agronômica em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco, pretende, ao avaliar o atual estágio da implementação das recomendações e propostas do I Seminário relacionadas a seguir, revelar o atual cenário da produção das matérias de origem vegetal e animal, tais como: oleaginosas, produtos oriundos de substâncias vegetais, de origem animal e microalgas, bem como as novas perspectivas da fabricação, industrialização e comercialização do biodiesel no Estado de Pernambuco e no Brasil. 

PROPOSTAS DE AÇÃO 

As propostas a seguir apresentadas foram definidas com base na análise dos problemas e recomendações sugeridas pelos conferencistas, palestrantes, debatedores e participantes durante a realização do Seminário. 

Estas propostas têm como objetivos garantir um planejamento racional das políticas de implementação do Programa Biodiesel em Pernambuco e sua interface com o Programa Nacional do Biodiesel, visando uma maior integração das diversas Instituições e a identificação das respectivas competências. 

6.1- Definir diretrizes institucionais, objetivos, metas, estratégias de operacionalização e indicadores de avaliação para planos, programas, subprogramas, projetos e atividades referentes ao Biodiesel. 

6.2- Criar Grupo de Trabalho para propor ao Governo de Pernambuco a implementação da Política Nacional do Biodiesel no Estado, através de estratégia de planejamento participativo visando garantir a eficiência, eficácia e efetividade das ações. 

6.3- Institucionalizar sistema integrado de ensino pesquisa e extensão com foco na melhoria da cadeia produtiva do Biodiesel.

6.4- Assegurar dentro do sistema de ensino, pesquisa e extensão, em todos os seus níveis: fundamental, médio e superior, a integração do ensino profissionalizante, bem como a inclusão no currículo das Escolas Rurais, atividades pedagógicas relacionadas com a produção e beneficiamento das oleaginosas e o aproveitamento de resíduos vegetais, animais e do consumo humano e industrial na fabricação do Biodiesel. 

6.5- Incentivar a instalação de mini-usinas auto-transportáveis e flexíveis quanto ao uso de matérias primas, com vistas à utilização de recursos de natureza energética disponíveis na região, compatível com as necessidades do desenvolvimento sustentável.

6.6.-  Manter o site do Seminário como fórum virtual estratégico para possibilitar a implementação mais eficaz das políticas de fabricação e uso dos biocombustíveis. 

6.7- Incluir no Grupo de Trabalho sugerido na proposta 6.2 todas as instituições com interesse em biocombustíveis, com especial destaque para as Academias, como forma de assegurar a memória agronômica relacionada com o Biodiesel.  

6.8- Proceder o desdobramento das ações da Academia no sentido de implementar o relacionamento  com Universidades e Instituições Culturais, Profissionais e Classistas, objetivando o fortalecimento da cadeia produtiva do Biodiesel, em favor da qualidade e do baixo custo desse biocombustível. 

6.9- Introduzir permanente fiscalização nas características físico-químicas do Biodiesel, objetivando a preservação mecânica dos equipamentos empregados como usuários do mencionado biocombustível. 

6.10- Contribuir para a mais racional e econômica produção do Etanol, derivado da cana-de-açúcar, como matéria-prima na fabricação do Biodiesel, mediante aplicação do processo de transesterificação aprimorado mecânica e quimicamente. 

6.11- Tornar a produção do Biodiesel a mais favorável oportunidade de participação das minorias rurais, representadas pelas Organizações Familiares, tanto visando a produção de cana-de-açúcar, como de plantas oleaginosas, fornecedoras de matérias-primas, para a fabricação do aludido biocombustível, como fonte de energia limpa e renovável, sem causar poluição ambiental, desfalque na alimentação humana e animal e de uso infinito.

6.12 Estabelecer um Programa de Pesquisa com Algas utilizadas na produção de Biodiesel. 

6.13- Levar às Universidades interessadas no Programa Nacional do Biodiesel as contribuições obtidas pela Academia Pernambucana de Ciência Agronômica através do Seminário Biodiesel: Fonte de Energia das Oleaginosas em Pernambuco, objetivando a criação de uma consciência de responsabilidade cultural para as soluções racionais dos problemas bioenergéticos. 

6.14- Realizar Seminário no Município de Pesqueira em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco e a Academia Pesqueirense de Letras, objetivando delinear programação específica para solução dos problemas educacionais e culturais identificados no Seminário Biodiesel.

 
< Anterior   Próximo >
APOIO CULTURAL Apoio Cultural
PARCEIROS Parceiros

Usuários On-line

© 2017 APCA | Academia Pernambucana de Ciencia Agronomica

Webmaster: